domingo, 26 de julho de 2009

Que vagabunda é essa?


Que vagabunda é essa que me instiga?
Que não que não me quer de todo para ela, mas não se conforma enquanto eu dela não for.

Que vagabunda é essa que me diz tudo que de pecaminoso desemcaminha?
Que me mostra a boca com o sorriso sincero de quem diz uma mentira.

Que vagabunda é essa que a imagem do seu olhar me deixa tolo e excitado.
Que o caminhar me faz desatentar à volta, tentando com os olhos roubar-lhe o traje que ao seu corpo é modelado.

Que vagabunda é essa que me rouba a sanidade quando dela eu retiro as vestes?
Que que me faz levar em memória por mim, a mim, o prazer que ela não mais me oferece.

Que vagabunda é essa dos gemidos escandalosos quando estou nela.
Que na privacidade do quarto se torna tão vagabunda, que faço dela cinderela.

Que vagabunda é essa que me torna senhor no meio de suas pernas abertas.
Que de tão vagabunda que é, vem a ser para mim a dama mais certa.


2 comentários:

  1. Enila, vc estava inspiradaaaa née... mas eu entendo o fundo da sua alma... :)

    ResponderExcluir

Agora que você sabe o que eu penso, que tal me dizer o que você pensa sobre isso. =)